Encontro da Rede Renascendo de Educação Ambiental em Inhapi

Participantes expõem as formas e cores encontradas nas nascentes. Foto: André Souza

O encontro do “Nó da Rede” de educação ambiental realizado pelo Projeto Renascendo em Inhapi-AL, no último 10/08, reforça a articulação em espaços coletivos e fortalece os vínculos entre as comunidades, o poder público e a sociedade civil organizada na gestão compartilhada das ações de recuperação e proteção das nascentes.

Sistematização das lendas, formas e cores das nascentes. Foto: André Souza

Durante o encontro foram levantadas informações referentes à percepção da paisagem por parte dos moradores do entorno das nascentes, as formas e as cores dos elementos presentes nas fontes de água, as lendas que fazem parte do repertório cultural local e ambiental.

“Com a educação ambiental proposta pelo projeto, ao mesmo tempo em que ouvimos a comunidade, como utilizam a água, seus desejos e anseios relativos às ações de intervenção nas nascentes, trazemos essas informações para o nosso plano prático de recuperação ecológica”, afirma Silvia Janayna de Oliveira, assistente de educação ambiental do projeto. “Nesse encontro também começamos a discutir com as participantes a formação do grupo de mulheres “Cuidadoras da Vida” e quais atividades e ações elas teriam interesse em desenvolver”, ressalta Silvia.

Silvia Janayna, assistente de Educação Ambiental, fala com participantes. Foto: André Souza

 

O Projeto Renascendo é realizado pelo Instituto Palmas, tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu.

O Instituto Palmas é uma ONG fundada em 2002, com sede em Piranhas, no alto sertão de Alagoas, cuja missão é a promoção do desenvolvimento econômico e social sustentável, dos direitos humanos, da cidadania e da democracia; e a preservação da memória e do meio ambiente.

Durante o encontro foi discutida a formação do grupo de mulheres “Cuidadoras da Vida”. Foto: André Souza

Análise de qualidade da água com ecokits é uma das ações práticas da educação ambiental do Projeto Renascendo

Pablo Vieira, coordenador técnico utiliza o ecokit com as crianças. Foto Kaedla Menezes

O Projeto Renascendo promoveu na manhã de 02 de agosto uma vivência educativa sobre a qualidade da água das nascentes com a comunidade escolar do Saco dos Miranda, no município de Mata Grande-AL. A partir da participação na coleta e análise de água realizada com os ecokits, estudantes e comunidade foram esclarecidos sobre boas práticas na proteção dos mananciais e principais causas de contaminação das nascentes.

O coordenador técnico, Pablo Vieira Tomás, foi o responsável por ensinar às crianças como utilizar os ecokits e socializar informações gerais sobre como evitar contaminação das águas das nascentes, “a contaminação pode ser feita por folhas ou animais, e o processo que utilizamos de solo-cimento é uma boa maneira de proteger as nascentes de contaminação”. Segundo Pablo Vieira, “o ecokit permite analisar e aferir informações acerca da presença de coliformes fecais, sais, amônia, turbidez, nitrogênio total e oxigênio dissolvido em água”, dados que revelam o grau de degradação ou conservação das nascentes.

 

Esta atividade prática de análise coletiva, faz parte do processo de monitoramento da qualidade da água das nascentes. Contribui para a realização de um dos objetivos específicos do Projeto Renascendo, a socialização de resultados das análises de água nas localidades, e a disseminação de conhecimentos técnicos sobre doenças transmitidas pela água. Além de trazer também informações sobre a contaminação das águas e sobre os cuidados e formas de tratamento que podem ser adotadas pela população do entorno das nascentes.

Análise da água com ecokit e os níveis de amônia na água. Foto: Kaedla Menezes

Segundo a assistente de educação ambiental, Silvia Janayna de Oliveira, “a análise da água realizada na comunidade, com a participação das crianças, foi uma atividade importantíssima. Tivemos a oportunidade de ouvir os conceitos delas sobre a qualidade da água e todos os cuidados que devemos ter para mantê-la limpa, com qualidade para o consumo”, afirma.

As aulas de campo são um importante recurso pedagógico à educação ambiental contextualizada, por aproximar as pessoas do ambiente que se deseja proteger, criar vínculos afetivos com o território e empatia no cuidado com o entorno das nascentes. “Durante a trilha até a nascente fomos conversando sobre as plantas e seus usos na medicina popular, e as crianças puderam apresentar seus

Comunidade Escolar do Saco dos Miranda em Mata Grande-AL. Foto: Kaedla Menezes

conhecimentos adquiridos. Lá na nascente, elas puderam ser cientistas, foi maravilhoso ver a concentração e empolgação das crianças”, enfatiza Silvia Janayna.

 

O Projeto Renascendo é realizado pelo Instituto Palmas, tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu.

Socialização de informações sobre qualidade da água junto às comunidades dos entornos das nascentes. Foto Kaedla Menezes

Projeto Renascendo realiza Encontro da Rede Renascendo de Educação Ambiental em Tacaratu

Imagem: Igreja de Nossa Senhora da Saúde, símbolo de Tacaratu. Foto: André Souza

O objetivo do Encontro da Rede Renascendo de Educação Ambiental (Nós da Rede) é  pensar sobre a importância e significados das nascentes, elaborar o Plano de Ação de Educação Ambiental, selecionar as próximas nascentes a serem recuperadas e iniciar a formação do grupo de mulheres “Cuidadoras da Vida”.

Imagem: Mapeamento das nascentes de Tacaratu durante o Seminário de Sensibilização. Foto: André Souza

Os  grupos locais de educação ambiental formam Nós,  que juntos, formam  a rede Renascendo.  O Encontro do Nó da Rede de Tacaratu acontece no dia 26 de junho de 2018, das  08h às 12h, no Auditório da Prefeitura Municipal de Tacaratu/PE.

De acordo com a coordenadora geral do Renascendo, Maria do Carmo Vieira, a revitalização de nascentes compreende dois processos distintos, mas complementares: “uma intervenção física nas nascentes: limpeza, proteção, canalização; e uma ação de educação ambiental”, esclarece a coordenadora, “é através da educação ambiental, que fica evidenciada a importância da participação da comunidade em todo o processo de revitalização, desde a priorização da nascente a ser recuperada, até a organização dos moradores para juntos, tomarem os cuidados necessários para a conservação da boa qualidade da água” ressalta Maria do Carmo Vieira.

Imagem: Maria do Carmo Vieira, coordenadora geral do projeto Renascendo. Foto: André Souza

O envolvimento da comunidade é fundamental para os processos de revitalização de nascentes, e a proteção do patrimônio ambiental representado pelas fontes de água no semiárido passa pela sensibilização das comunidades locais. Além do conhecimento e participação no processo de recuperação das nascentes, através da educação ambiental, a comunidade se empodera das técnicas e das práticas para assegurar a sustentabilidade das nascentes. Nas oficinas de Educação Ambiental, a comunidade toma conhecimento de como a nascente se forma, como pode ser realimentada, e o que deve ser evitado para não prejudicar a nascente.

Imagem: Recuperação de nascentes, limpeza, canalização e práticas sustentáveis. Foto: Kaedla Menezes

O Projeto Renascendo tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu.

O Instituto Palmas é uma ONG fundada em 2002, com sede em Piranhas, no alto sertão de Alagoas, cuja missão é a promoção do desenvolvimento econômico e social sustentável, dos direitos

Imagem: Equipe renascendo e a comunidade local, ações utilizam metodologias participativas. Foto: Kaedla Menezes

humanos, da cidadania e da democracia; e a preservação da memória e do meio ambiente.

 

Serviço:

Encontro dos Nós da Rede Renascendo – Tacaratu, Pernambuco

Local: Auditório da Prefeitura Municipal de Tacaratu

Data: 26 de junho de 2018

Hora: 8h às 12h

Seminário de Sensibilização promovido pelo Projeto Renascendo chega ao município de Tacaratu, em Pernambuco

Dando continuidade aos seminários de sensibilização para as causas ambientais e cuidados hídricos, o Projeto Renascendo realiza mais um encontro. O evento acontece na cidade de Tacaratu, no sertão pernambucano, no dia 25 de abril, e reúne as comunidades de Tacaratu, Pariconha e Água Branca.

Este seminário é mais uma das etapas do Renascendo, que visa a construção de conhecimentos e práticas para melhoria da convivência com o semiárido e está sendo desenvolvido em seis municípios pelo Instituto Palmas, com o patrocínio da Petrobras. A primeira reunião foi realizada no dia 19 de abril e congregou os municípios de Inhapi, Canapi e Mata Grande.

Em Tacaratu, será formado mais um grupo de educação ambiental, o “Nós da Rede” que se articula à Rede Renascendo, onde se discute de maneira participativa o levantamento de problemas, sugestões e soluções para a recuperação de nascentes e outras questões ambientais nas comunidades. Esses seminários buscam analisar de forma detalhada a realidade de cada um dos municípios, buscando na comunidade a possibilidade das nascentes a serem recuperadas, entre outras questões.

De acordo com a Assessora de Educação Ambiental do Instituto Palmas, Sílvia Janayna Veriato, as opiniões dos moradores são de grande importância e o projeto é desenvolvido tendo como base o olhar de cada um. Sílvia explica, inclusive, que existem localidades com comunidades indígenas, e há uma preocupação por parte do projeto em respeitar as ideias desses povos tradicionais. Em Tacaratu, há a tribo Pankararu, denominada aldeia mãe da região. “Para o indígena, a água representa uma coisa sagrada, então junto com esse povo construímos um estudo para que possamos intervir na recuperação daquela nascente respeitando suas tradições e garantido a segurança hídrica para a comunidade”, fala Sílvia.

Ela explica que em Tacaratu também será feito o levantamento das escolas para que a comunidade escolar contribua com os projetos pedagógicos de educação ambiental. Sílvia enfatiza que no seminário também serão identificadas as fontes de água que foram revitalizadas a partir das ações do Projeto Renas-Ser, executado em 2015 com o apoio do Instituto Palmas, nos municípios de Tacaratu, Pariconha e Água Branca.

Para Sílvia, o trabalho de recuperação de nascentes é muito gratificante, uma vez que permite o acesso à água por pessoas que muitas vezes sofrem longos períodos com a escassez. “Trabalhar com a recuperação de nascentes é extremamente gratificante porque garante a qualidade hídrica para as comunidades, mudando a realidade da população onde a fonte de água está inserida, porque muitas delas passam longos períodos de escassez”, explica.

Um desses exemplos de que a recuperação das nascentes muda a realidade local é no Sítio Brígida, em Mata Grande. Lá, o dono da propriedade onde está inserida, Luiz Carlos, ressalta que a ação trouxe uma grande mudança para a comunidade. “Esse trabalho que foi feito aqui foi uma maravilha, especialmente com a caixa que colocaram porque fica tudo limpinho, organizado, então as pessoas vêm buscar a água e não tem bagunça. Sem contar que com o trabalho que foi feito, a nascente está minando mais água e isso é muito bom. Realmente foi uma coisa que trouxe muitos benefícios para nós”, frisou.

O Projeto Renascendo tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu.

O Instituto Palmas é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 2002, cuja missão é a promoção do desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza; promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e dos valores universais; promoção da cultura, defesa e preservação do patrimônio histórico e artístico; defesa e preservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável; promoção dos direitos estabelecidos e construção de novos direitos.

 

Fotos: Kaedla Menezes

Inhapi sedia seminário local de sensibilização das comunidades para causa ambiental e cuidados hídricos

No dia 19 de abril o município de Inhapi, localizado no sertão alagoano, será sede do seminário local de sensibilização para as causas ambientais e cuidados hídricos. A ação é uma das etapas do Projeto Renascendo, que visa a construção de conhecimentos e práticas para melhoria da convivência com o semiárido e é realizado pelo Instituto Palmas, com o patrocínio da Petrobras.

Imagem: Legenda: Fonte do Ivan no município de Mata Grande-AL. Foto: André Souza.

O evento reúne as comunidades de Inhapi, Canapi e Mata Grande, três das localidades que estão sendo trabalhadas pelo projeto, que totalizam seis e somam ainda Tacaratu, Pariconha e Água Branca. Esses últimos terão o seminário realizado no dia 25 de abril em Tacaratu, Pernambuco.

Em Inhapi, o seminário acontece no Clube 20V, a partir das 9h, e pretende analisar, de forma mais detalhada, a realidade de cada um dos municípios. Esta atividade mais dirigida tem como foco formar o grupo de educação ambiental denominado “Nós da Rede“, que se articula à Rede Renascendo, uma espécie de teia com levantamento de problemas, sugestões e soluções para a recuperação de nascentes e outras questões ambientais nas comunidades.

Imagem: Representantes de Inhapi-AL nos “Nós da Rede” Renascendo. Foto: André Souza.

A Assessora de Educação Ambiental do Instituto Palmas, Ana Cristina Accioly, explica que por meio do grupo local é possível realizar a cartografia social, onde a comunidade mapeia e registra as nascentes existentes no município para a equipe do Projeto Renascendo visitar e averiguar se possui os critérios técnicos. “A participação plena das comunidades é de extrema importância porque são estas pessoas que conhecem a realidade local e podem revelar as possíveis nascentes a serem recuperadas. Elas demonstram as suas necessidades e o Instituto Palmas realiza a análise técnica, em interação com o conhecimento, a opinião e prioridade dessas pessoas, tornando-as agentes diretas, fazendo os Nós da Rede”, enfatiza.

Ana ressalta que durante o seminário serão mapeadas as escolas próximas às nascentes a serem recuperadas para que os estudantes e a comunidade escolar participem dos projetos pedagógicos de educação ambiental. “Por meio dos projetos pedagógicos de educação ambiental com os estudantes, profissionais e pessoas que pertencem às escolas da comunidade é possível envolver os atores estratégicos para trazer novos valores e práticas mais sustentáveis nas comunidades”, explica.

Imagem: Seminário de Sensibilização. Foto: André Souza.

A educadora enfatiza que a rede local permite ainda que o Projeto Renascendo monitore as fontes de água que foram revitalizadas a partir das ações do Projeto Renas-Ser, executado em 2016 com o apoio do Instituto Palmas, que chegou a recuperar 55 nascentes. “Essas 55 nascentes recuperadas no Projeto Renas-Ser estão sendo monitoradas por meio de visitas locais do Renascendo para termos um diagnóstico preciso e assim levantar as ações para que, aquelas que possuem boas condições, continuem a ofertar água para a comunidade e aquelas que não estão, que possamos identificar e verificar a sua potencialidade de ser novamente revitalizada ou cuidada”, pontua Ana.

O Projeto Renascendo tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu.

O Instituto Palmas é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 2002, cuja missão é a promoção do desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza; promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e dos valores universais; promoção da cultura, defesa e preservação do patrimônio histórico e artístico; defesa e preservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável; promoção dos direitos estabelecidos e construção de novos direitos.

Seminário inicia sensibilização das comunidades para causa ambiental e cuidados hídricos

Com o objetivo de sensibilizar comunidades do sertão de Alagoas e Pernambuco para a causa ambiental, especialmente para os cuidados hídricos, o Projeto Renascendo realiza o I Seminário de Sensibilização no Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas. O evento acontece no dia 13 de março, das 9h às 15h, na sede da Coppabacs, em Delmiro Gouveia.

Imagem: Fonte do Ivan, Mata Grande-AL

O encontro tem como público alvo representantes de comunidades rurais, entidades locais e regionais, lideranças e representantes dos municípios parceiros do projeto – Inhapi, Canapi, Mata Grande, Água Branca, Pariconha, em Alagoas, e Tacaratu, em Pernambuco.
O seminário faz parte do Projeto Renascendo, que visa a construção de conhecimentos e práticas para melhoria da convivência com o semiárido e é realizado pelo Instituto Palmas, com o patrocínio da Petrobras. O projeto tem como foco a sustentabilidade hídrica da Bacia Hidrográfica do São Francisco, por meio da recuperação e monitoramento de nascentes, reflorestamento de matas ciliares, implantação de barragens, instalação de sistemas de irrigação, seminários de sensibilização com as comunidades rurais e a disseminação de práticas sustentáveis através da educação ambiental.

Imagem: Roda de apresentação durante o Encontro em Delmiro Gouveia-AL.

De acordo com a Assessora de Educação Ambiental do Instituto Palmas, Ana Cristina Accioly, o seminário será o ponto de partida para a apresentação do Projeto Renascendo e uma forma de identificar os possíveis parceiros dentro dos territórios para o desenvolvimento das ações. Ela explica que a partir desse conhecimento, forma-se a Rede Renascendo.
“Por meio do contato com essas pessoas identificamos os parceiros e assim levantamos as potencialidades e aprofundamos a realidade a partir da visão de quem mora no território, que vai identificar e mostrar a necessidade e a prioridade de cada passo do projeto a ser realizado”, explica Ana. Ela enfatiza que dentro da Rede Renascendo vão sendo formados grupos de educação ambiental em cada município parceiro, que são denominados “Nós da Rede” que se articulam com a Rede Renascendo. “A rede se articula e se move de forma própria, dinâmica e criativa, de acordo com as necessidades e as realidades das várias comunidades envolvidas”, complementa a assessora.
O Projeto Renascendo tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu.

Imagem: Participantes da Rede Renascendo de Educação Ambiental – Nós da Rede

O Instituto Palmas é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 2002, cuja missão é a promoção do desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza; promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e dos valores universais; promoção da cultura, defesa e preservação do patrimônio histórico e artístico; defesa e preservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável; promoção dos direitos estabelecidos e construção de novos direitos.

Projeto Renascendo visa recuperação da Bacia Hidrográfica do São Francisco

A escassez de água é um dos principais problemas enfrentados pelas comunidades do sertão de Alagoas e Pernambuco. Os longos períodos de estiagem têm provocado diversos transtornos, como a falta de água para o consumo humano e animal, afetando ainda a produção de alimentos. Sensibilizado com essa realidade, o Instituto Palmas propôs o Projeto Renascendo, que visa a disseminação de conhecimentos e práticas na melhoria da convivência com o semiárido.

Imagem: Mata Grande em Alagoas, município participante do Projeto Renascendo.

A ação, que tem o patrocínio da Petrobras, objetiva a sustentabilidade hídrica da Bacia Hidrográfica do Sâo Francisco, por meio da recuperação e monitoramento de nascentes, reflorestamento de matas ciliares, implantação de barragens, instalação de sistemas de irigação, seminários de sensibilização com as comunidades rurais e a disseminação de práticas sustentáveis através da educação ambiental.
O projeto tem duração de dois anos e é composto por diversas etapas. Atualmente, estão sendo realizados o mapeamento e diagnóstico de nascentes nos municípios de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi e Pariconha, no Alto Sertão Alagoano, e Tacaratu, no Sertão Pernambucano. A equipe está fazendo ainda o monitoramento das fontes de água que foram revitalizadas a partir das ações do Projeto Renas-Ser, executado em 2015 com o apoio do Instituto Palmas, que chegou a recuperar 55 nascentes.
“Nessa etapa estamos realizando o monitoramento, in loco, das nascentes recuperadas por meio do Renas-Ser, preparando o diagnóstico de como se encontram essas áreas para que, em um segundo momento, possamos mapear novas nascentes a serem recuperadas”, explicou o Coordenador Técnico do Projeto Renascendo, Pablo Vieira Tomás.

Imagem: Nascente recuperada pelo projeto Renas-ser, a Fonte de Ivan, na comunidade Sitio do Urubu, no município de Mata Grande, Alagoas.

A revitalização das nascentes oferece à comunidade onde está localizada, não somente o acesso à água de qualidade para o consumo, mas também educação ambiental, envolvendo a população em todo o processo. Para a Assessora de Educação Ambiental do projeto, Ana Cristina Accioly, esse processo educacional é interativo. “Procuramos, no decorrer de todo o projeto, dialogar ativamente com a comunidade. Há uma troca entre o saber acadêmico e o saber popular, onde construímos participativamente as soluções a serem realizadas. O nosso foco é o caráter participativo das pessoas, organizações e comunidades onde a nascente está inserida”, ressalta. A educação ambiental também é irradiada a partir das escolas, onde os estudantes são agentes ativos no processo. “Desta forma, as crianças e jovens, público majoritário nas escolas, serão atores estratégicos para trazer novos valores e práticas mais sustentáveis nas comunidades”, fala Ana Cristina.
O conjunto de ações do Projeto Renascendo implica também na geração de renda, na soberania alimentar das comunidades e inserção de novas práticas sustentáveis, como acontece na Fonte de Ivan, localizada na comunidade Sítio do Urubu, no município de Mata Grande, em Alagoas. Lá, a água abastece a irrigação nos plantios de feijão de corda, cana de açúcar e mandioca, e beneficia também pessoas de localidades vizinhas. “A água serve para tudo: para dar a bicho, para gente beber, para irrigação. Com essa seca enfrentada aqui na região, quem salvou a comunidade foi essa nascente, pois todo mundo só pegava água aqui, que não tinha água mais em canto nenhum do mundo”, ressaltou o produtor José Ivan de Alencar.

Imagem: José Ivan Alencar, ao lado das rapaduras produzidas no engenho da comunidade Sítio do Urubu, cujas águas da Fonte abastecem a irrigação de cana de açúcar.

O Projeto Renascendo tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu.
O Instituto Palmas é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 2002, cuja missão é a promoção do desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza; promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e dos valores universais; promoção da cultura, defesa e preservação do patrimônio histórico e artístico; defesa e preservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável; promoção dos direitos estabelecidos e construção de novos direitos.

Renascendo, nascentes vivas no sertão!

Projeto Renascendo visa a revitalização da Bacia Hidrográfica do São Francisco, por meio da recuperação e monitoramento de nascentes, reflorestamento de matas ciliares, implantação de barragens, instalação de sistemas de irrigação, seminários de sensibilização com as comunidades rurais e a disseminação de práticas sustentáveis através da educação ambiental. Atua nos municípios de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi e Pariconha, no Alto Sertão Alagoano, e Tacaratu, no Sertão Pernambucano. A realização é do Instituto Palmas, com patrocínio Petrobras.