Projetos patrocinados pela Petrobras celebram o Dia Mundial do Meio Ambiente com ações de conscientização ecológica

Análise de água com ecokits. Foto: Kaedla Menezes

A sociedade será mobilizada para refletir sobre as questões ambientais e os desafios enfrentados atualmente para o desenvolvimento sustentável em ações educativas nos estados de Alagoas, Pernambuco, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Sergipe.

As ações serão realizadas pelos projetos: Opará, Plantando Águas, Renascendo, Semeando Água, Taramandahy e Tecendo as Águas – com o objetivo de promover a reflexão sobre um dos temas centrais para o desenvolvimento sustentável que é a água, com o slogan: “Quem planta cuida da Terra, cuidar da Terra é cuidar da Água”. Os projetos são patrocinados pela Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental, dentro da linha temática Água.

O Dia Mundial do Meio Ambiente é celebrado no dia 05 de junho, desde 1972, quando foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), em referência a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, que ocorreu em Estocolmo, na Suécia. A data convoca a população mundial e governos a refletirem sobre a gestão dos recursos naturais, a degradação ambiental e a importância da preservação do meio ambiente.

Saiba mais sobre as ações e acompanhe tudo nas redes sociais com as hashtag #projetosÁgua escolhida pelos projetos como forma de integrar as iniciativas conjuntas.

Opará Águas do Rio São Francisco

Durante a Semana do Meio Ambiente serão realizadas atividades voltadas para sensibilização e conscientização das pessoas sobre a importância do cuidado com o meio ambiente. Destaque para a Caravana Opará, que será realizada entre os dias 05 e 07 de junho em duas escolas do Assentamento Jacaré-Curituba (Poço Redondo/SE), onde serão desenvolvidas oficinas de educomunicação, produção de sementes e mudas e sessões de documentários no “Cine Beira-Rio”.

A programação começa na terça (04/06) com a palestra: Meio Ambiente e Recursos Hídricos, na Escola Municipal João Teles, em Aracaju/SE e finaliza na sexta (07/06) com uma Oficina de Fertirrigação, no Assentamento Jacaré-Curituba, em Poço Redondo/SE.

www.opara.org.br

Facebook: @ProjetoOpara

Instagram: @projeto.opara/

Plantando Águas

Dá continuidade às atividades de assistência técnica rural, de monitoramento da água e dos sistemas agroflorestais (SAFs) implantados. No mês de junho, os resultados das análises laboratoriais de qualidade da água e de eficiência dos sistemas de saneamento serão trabalhados com as comunidades. Elas são fruto de duas campanhas de coleta em rios nas cidades de Araraquara, Barra do Turvo, Cajati, Porto Feliz e São Carlos, todas no interior de São Paulo, e de três campanhas de coleta de oito fossas biodigestoras no modelo Caratinga (com bombonas). 

http://www.iniciativaverde.org.br/plantandoaguas.php

Facebook: @/plantandoaguas/

Instagram: @iniciativaverde/

Plantio no entorno da nascente de Cícero da Cruz, povo indígena Pankararu, Tacaratu/PE. Foto: Kaedla Menezes

Projeto Renascendo: realiza atividades de educação ambiental na escola da aldeia indígena Koiupanká, na comunidade Baixa do Galo onde foi recuperada uma nascente, em Inhapi, no Alto Sertão de Alagoas. As atividades serão análise de água com Eco Kit e plantio de mudas nativas da caatinga, com a participação de agentes públicos municipais, famílias agricultoras e comunidade escolar.

www.projetorenascendo.com

Facebook: @projetorenascendo1

Instagram: @projetorenascendo

Semeando Água:a semana começa com a apresentação sobre Serviços Ecossistêmicos para educadores de Atibaia já que o assunto será o tema do concurso de desenho da Festa de Flores e Morangos de Atibaia. Na terça (04) lideranças de empresas participarão do Em jogo: sustentabilidade para empresas -saiba mais sobre a importância do Sistema Cantareira para os negócios e como é possível contribuir, na UMAPaz, na capital paulista. O objetivo é (re)conhecer o atual cenário do Sistema Cantareira e somar esforços para o aumento da sua resiliência. Inscrições gratuitas http://bit.ly/sustentabilidade-para-empresasvagas limitadas. No dia 05 de junho, funcionários da Refinaria de Paulínia (Replan/Petrobras) participarão de plantio em Nazaré Paulista. No dia 06 à noite, educadores de Bragança Paulista vão conferir apresentação sobre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, no Núcleo de Apoio ao Professor e ao Aluno (NAPA). Inscrições no link: https://forms.gle/ZZ3SfJYLsuRKziLcA. No dia 07 de junho, será a vez de estudantes do ensino fundamental da Escola Municipal Coronel Ladislau Leme, em Bragança Paulista, participarem de atividades lúdicas para aprender mais sobre os serviços ecossistêmico. No sábado (08), o projeto Semeando Água participará da mesa de diálogos durante o II Simpósio Ambiente e educação: da biodiversidade à Restauração de Ecossistemas, na FESB – Fundação de Ensino Superior de Bragança Paulista.

Facebook:@ipe.instituto.pesquisas.ecologicas

Instagram: @institutoipe/

Taramandahy

O Projeto Taramandahy – Fase III celebrará a data durante todo o mês de junho com visitas orientadas ao Centro de Referências Ambientais (CRA) Taramandahy de alunos de escolas públicas de Maquiné/RS (de 03 a 06 e de 10 a 14); palestra do coordenador Dilton de Castro no III Fórum de Gestão Ambiental do Litoral Norte, realizado pela UFRGS/Ceclimar e Transpetro/TEDUT (07); Feira da Biodiversidade de Maquiné (08); Seminário de Meliponicultura (09); oficinas de: secador solar no CRA Taramandahy (15) e de implementação de tratamento ecológico de esgoto na Aldeia Ka’aguy Porão, em Maquiné (17); e seminário sobre desastres hidrológicos na região da bacia do rio Tramandaí (26), com inscrições no link: https://forms.gle/tdN275gE9eNw72SKA.

taramandahy.org.br

Facebook: @Taramandahy/

Instagram: @projetotaramandahy/

Projeto Tecendo as Águas: Completando 25 anos em prol do meio ambiente, o Instituto Supereco abre o Mês do Meio Ambiente com uma série de atividades educativas e de fortalecimento de boas práticas socioambientais, educomunicação, oficinas, palestras e roteiros de turismo pedagógico.Eventos de 03 a 08/06: I Congresso de Empreendedorismo Sustentável do Litoral Norte Paulista.

Inscrições: www.sustentavelcongresso.com

Caminhada e Bicicletada Ecológica pelas Águas, Oceano e Clima

Inscrições: https://www.facebook.com/events/584101545444602/

https://www.supereco.org.br/tecendo

Facebook: @ ProjetoTecendoasAguas/

Instagram: @institutosupereco/

Programa Petrobras Socioambiental: 

http://sites.petrobras.com.br/socioambiental/?nav=sobre

Saiba mais sobre os Projetos

Opará: águas do rio São Francisco:realizado pela Sociedade Socioambiental do Baixo São Francisco Canoa de Tolda em parceria com a Universidade Federal de Sergipe (UFS), atuando na recuperação de áreas degradadas da Caatinga com atividades de restauração florestal, educação ambiental, monitoramento hídrico e pesquisas de solo e água na região semiárida dos estados de Sergipe e Alagoas, na bacia hidrográfica do rio São Francisco, Jacaré e riacho Mato da Onça, na Reserva Mato da Onça, em Pão de Açúcar. A principal área de atuação do projeto é o perímetro irrigado Jacaré-Curituba, em uma região de clima semiárido, na Caatinga, em uma área de irrigação que abriga cerca de 800 famílias de trabalhadores rurais em regime de agricultura familiar com problemas de salinização do solo e desmatamento em áreas de mata ciliar. 

Plantando Águas:realizado pela Iniciativa Verde, seu objetivo é recuperar e proteger os recursos hídricos por meio da adequação ambiental de imóveis rurais. Está em sua segunda fase, e atua em nove cidades do interior de São Paulo, em assentamentos rurais, pequenas propriedades familiares e unidades de conservação. Entre as ações, presta assistência técnica rural, oferece mudas e insumos para o plantio de agroflorestas, instala sistemas de saneamento de baixo custo e promove oficinas e atendimentos de educação ambiental.

Projeto Renascendo:realizado pelo Instituto Palmas com o objetivo de recuperar nascentes e multiplicar práticas sustentáveis de convivência com o semiárido, de melhoria da segurança hidroambiental e saneamento ecológico, através da articulação da Rede Renascendo de Educação Ambiental, composta por uma diversidade social de povos indígenas, quilombolas, grupos de mulheres, famílias agricultoras, sociedade civil organizada e gestores públicos. Tem ajudado comunidades a enfrentar os períodos de estiagem em comunidades rurais distantes, localizadas no semiárido de Alagoas e Pernambuco. Tem o apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), da Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas (SESAU) e do Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria com as prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu/PE. 

Semeando Água: realizado pelo IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas tem como objetivo disseminar práticas sustentáveis que contribuem para o aumento da renda do pequeno produtor rural e ao mesmo tempo ampliam a conservação dos recursos hídricos, o que soma esforços para a segurança hídrica do Sistema Cantareira. O projeto que está no segundo ciclo atua em cinco frentes: Manejo de Pastagem Ecológica, Restauração Florestal, Educação Ambiental, Políticas Públicas e Comunicação em oito municípios do Sistema Cantareira: Bragança Paulista, Joanópolis, Mairiporã, Nazaré Paulista e Piracaia, em São Paulo, além de Camanducaia, Extrema e Itapeva, em Minas Gerais

Taramandahy:realizado pela OSC Anama – Ação Nascente Maquiné – está em sua terceira fase patrocinado pela Petrobras, e em parceria com o Comitê de Bacia, atuando na gestão dos recursos hídricos da Bacia do Rio Tramandaí, com sete eixos de ações integradas com a gestão das águas, quais são: monitoramento da qualidade da água; de conservação integrada dos recursos hídricos, solo e floresta; de qualificação do Comitê Tramandaí; de educação e sensibilização ambiental, educação alimentar e nutricional; difusão de tecnologias sociais no Centro de Referências Ambientais; de mobilização/capacitação de agentes locais de defesa civil; e de apoio à Gestão Territorial e Ambiental das Terras Indígenas Mbyá Guarani. Entre as atividades realizadas pelo Projeto, estão por exemplo: a assessoria técnica à agricultura familiar na transição para base ecológica, as formações pela soberania alimentar e de permacutura, a produção e distribuição de mudas de espécies nativas, o incentivo à meliponicultura, e o mapeamento dos impactos ambientais de lagoas e rios.

Tecendo as Águas:tem o objetivo de desenvolver boas práticas de conservação dos recursos hídricos continentais e marinhos, a partir da educação, do fortalecimento comunitário e da gestão compartilhada das bacias hidrográficas do litoral norte de SP, no Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar.

Rede Renascendo de Educação Ambiental fortalece o protagonismo feminino com as multiplicadoras “Cuidadoras da Vida”

O Projeto Renascendo conclui a primeira fase de formação do grupo de mulheres “Cuidadoras da vida”, são mais de 70 multiplicadoras ambientais que atuam nas comunidades, no intuito da educação hídrica e ambiental. A realização é do Instituto Palmas, com patrocínio Petrobras.

O Encontro das “Cuidadoras da Vida” (26/02) reuniu mais de 30 mulheres multiplicadoras ambientais, dos municípios de Mata Grande, Inhapi e Canapi (AL), que discutiram temas como: segurança hídrica, agroecologia e empoderamento feminino. Além das rodas de conversa e troca de saberes, durante o evento, as participantes criaram um canteiro de ervas medicinais.

O perfil das Cuidadoras da Vidaé de mulheres camponesas, agricultoras e lideranças comunitárias, “a mulher é esse ser que de dentro do seu seio já nasce esse sentimento de cuidado da terra, de respeitar”, explica uma das formadoras, a agricultora Jocelina Santana, sobre a forte relação das mulheres agricultoras com os elementos: terra e água.

Segundo a assistente de educação ambiental do projeto, Sílvia Janayna de Oliveira,  durante esses encontros se discutem temas como: “o empoderamento da mulher, de cuidar da vida, de sua família, da plantação, da alimentação, da saúde, de cuidar da água. Foi uma coisa que percebemos no processo desde o Renas-Ser”, a partir da constatação do protagonismo feminino, da participação, do compromisso com as ações de recuperação dasnascentes e a centralidade na gestão dos recursos naturais.

Mulheres agricultoras e a igualdade de gênero no mundo

As mulheres do campo vivem relações desiguais no acesso aos recursos produtivos, tecnologias e educação. O trabalho realizado com mulheres agricultoras no Projeto Renascendo está alinhado com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, propostos pela ONU – Organização das Nações Unidas, que defende a igualdade de acesso à educação de qualidade, aos recursos econômicos e a participação política, na tomada de decisões em todos os níveis, por mulheres e meninas.


A Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres, mais conhecida como ONU Mulheres, escolheu como tema do Dia Internacional da Mulher (08/03) em 2019, “Pensemos em Igualdade, Construção com Inteligência e Inovação para a Mudança”. A ONU Mulheres também promove a Campanha Regional, #MulheresRurais, mulheres com direitos, pela autonomia plena das mulheres rurais, indígenas e afrodescendentes da América Latina e do Caribe. 

O Projeto Renascendo é realizado pelo Instituto Palmas, com o patrocínio da Petrobras. Tem o apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), da Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas (SESAU) e do Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria com as prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu/PE.

Projeto Renascendo recupera 21 nascentes e contribui para a melhoria da segurança hidroambiental, no Alto Sertão de Alagoas e Pernambuco

A melhoria da segurança hidroambiental, através da recuperação de nascentes, tem ajudado famílias a enfrentar os períodos de estiagem, em comunidades rurais distantes, localizadas no semiárido de Alagoas e Pernambuco.  O Projeto Renascendo é realizado pelo Instituto Palmas, com patrocínio da Petrobras.

Projeto Renascendo contribui para a segurança hidroambiental, em municípios marcados pela degradação ambiental e longos períodos de seca. Foto: André Souza

Durante o mês de fevereiro, o Projeto Renascendo recuperou 8 nascentes, nos municípios de Mata Grande/AL e Tacaratu/PE. Alcançando um total de 21 nascentes recuperadas, durante 1 ano de atuação. O projeto contribui para a segurança hidroambiental, em municípios da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, marcados pela degradação ambiental e longos períodos de seca. 

A técnica utilizada na recuperação das nascentes é a do solo-cimento, e a atividade é feita de maneira conjunta, resultante da interação entre a equipe técnica e as comunidades participantes. Essa ação, também é um momento de educação ambiental e de formação, onde os multiplicadores locais são capacitados na replicação da técnica solo-cimento e sensibilizados para os cuidados hídricos e ambientais. 

Cícero Soares da Cruz, indígena Pankararu, “o Projeto Renascendo foi uma novidade pra gente… estamos vendo que já melhorou a qualidade da água”. Foto: Ricardo Lima

Cícero Soares da Cruz, da comunidade Tapera, no Território Indígena Pankararu, em Tacaratu/PE, foi beneficiado com a recuperação de duas nascentes em sua propriedade, “a gente já vinha trabalhando com um tipo de reflorestamento, preservando, mas não era baseado nas nascentes em si, era mais na fauna, nas plantas, não cortar, não desmatar ao redor, a gente tinha essa sensibilidade”. Cícero da Cruz replicou o conhecimento adquirido, e por iniciativa própria, recuperou mais uma nascente, “somando as três nascentes revitalizadas, chegam a jorrar em 24 horas, entre 13.000 a 14.000 litros de água, equivale a 2 caminhões-pipa por dia, já é um ganho muito grande para a comunidade, beneficiando cerca de 20 famílias, em torno de 100 pessoas diretamente”, afirma.

Nascente recuperada de maneira conjunta entre equipe técnica e participantes do Projeto Renascendo. Foto: Ricardo Lima

Com as atividades de proteção das nascentes, tais como cercamento, ligações das caixas d’água, cloração, amplia-se o acesso a uma água gratuita e de qualidade, segundo o coordenador técnico, Pablo Vieira Tomás, “com a recuperação das 21 nascentes, nós temos em média uma vazão de 300 litros por hora em cada nascente, equivale a 151m³de água por dia, suficiente para abastecer mais de 1.200 pessoas com água de qualidade, em lugares onde não havia essa água, mas que ainda passa por uma série de análises, até que possa ser liberada para o consumo humano”, enfatiza o coordenador técnico. 

O Coordenador técnico Pablo Vieira explica sobre a técnica de recuperação com solo-cimento. Foto: Ricardo Lima

Além das ações de proteção e recuperação, o projeto já capacitou 198 multiplicadores e 40 multiplicadoras “cuidadoras da vida”, em atividades de educação ambiental.

O Projeto Renascendo é realizado pelo Instituto Palmas, com o patrocínio da Petrobras. Tem o apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), da Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas (SESAU) e do Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria com as prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu/PE.

Projeto Renascendo conclui os ciclos de formação dos “Nós” da Rede Renascendo de Educação Ambiental, em Canapi

O Projeto Renascendo conclui os ciclos de encontros locais realizados em todos os municípios participantes, foi a vez de Canapi acolher o Encontro do Nó da Rede de Educação Ambiental. O evento aconteceu no dia 28 de novembro, no Salão Paroquialdo município. A ação é uma das etapas do Projeto Renascendo, realizado pelo Instituto Palmas, com o patrocínio da Petrobras

Equipe do Projeto Renascendo apresenta as propostas para participantes no encontro de Canapi/AL. Foto: André Souza

O Plano de Ação foi definido no encontro do “Nó da Rede” de Canapi/AL, que é o planejamento de ações e práticas ambientais. No município de Canapi, as ações estarão focadas nos projetos pedagógicos, a partir das escolas, cujo eixo temático central é a educação ambiental, tendo como temática específica os cuidados com a água. Durante o evento foram definidas escolas da zona rural prioritárias e a realização de um grande evento que envolverá todas as escolas municipais. 

O Encontro que teve como objetivo a formação do Nó da Rede de Canapi, também serviu para que a equipe do Projeto Renascendo apresentasse as diretrizes e atuação do projeto aos gestores municipais, aos participantes das comunidades locais, ao Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais e a comunidade quilombola do Topete, que teve grande representatividade no encontro, o que possibilitou uma rica troca de experiências.

O Grupo de Mulheres “Cuidadoras da Vida” formará multiplicadoras dos cuidados hídricos e ambientais nas comunidades, em Canapi. Foto: André Souza

Em Canapi, o grupo de mulheres “Cuidadoras da Vida” sugeriu trabalhar o tratamento do lixo e técnicas de reciclagem, com o reuso de materiais para produção de artesanato, utensílios que possam gerar renda para elas. O grupo também solicitou formação sobre a coleta seletiva do lixo e preparo de compostagem, para utilizar o composto orgânico na produção de canteiros de ervas medicinais.

A equipe técnica, em articulação com as comunidades, identificará áreas para a construção de barramentos de enxurradas, que é uma tecnologia para diminuir a erosão do solo, aumentar a área de infiltração das águas, para que possam chegar em maior quantidade às águas subterrâneas e diminuir o assoreamento de nascentes.

Segundo Ana Cristina Accioly, assessora de Educação Ambiental do projeto, “o envolvimento da comunidade é fundamental para os processos de cuidados com o patrimônio ambiental. A sensibilização e as contribuições das comunidades locais são irradiadas a partir dos Nós da Rede e por isso, estes encontros são tão importantes”, ressalta Accioly.

A gerente de vigilância em Saúde Ambiental da SESAU/AL, Maria Elisabeth Vieira da Rocha, fala durante o Encontro do Nó da Rede de Mata Grande/AL, sobre a recente parceria entre a SESAU e o Projeto Renascendo. Foto: Kaedla Menezes

As ações de recuperação das nascentes e educação ambiental ganham uma nova parceria estabelecida entre o projeto Renascendo e a SESAU/AL – Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas, através da Superintendência de Vigilância em Saúde.  

De acordo com a gerente de vigilância em Saúde Ambiental da SESAU, Maria Elisabeth Vieira da Rocha, “essa parceria é muito importante porque o Estado vai conseguir chegar em comunidades mais distantes dentro dos municípios, nas zonas rurais, o projeto Renascendo aproxima essas comunidades às nossas ações, além de trazer como conteúdo da educação ambiental o cuidado com a qualidade da água”, afirma. A parceria com a SESAU/AL agrega maiores ações nos cuidados com a qualidade da água usada pelas comunidades. 

A comunidade Quilombola do Topete, localidade de Canapi, ensina a pisada do samba de coco para participantes do encontro. Foto: André Souza

O Projeto Renascendo tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH) da Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas (SESAU) e do Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu/PE.

Encontro de formação da Rede Renascendo de Educação Ambiental mobiliza Cuidadoras da Vida

O Encontro de Formação de Multiplicadoras aconteceno dia 14 de novembro de 2018, no município de Tacaratu/PE. Tem como objetivos  o fortalecimento do grupo de mulheres “Cuidadoras da Vida”, a troca de conhecimentos relacionados à segurança hídrica, agroecologia e empoderamento das mulheres, além de atividades práticas como a criação de um canteiro de ervas medicinais e uso da comunicação popular para multiplicação de saberes. O Projeto Renascendo é realizado pelo Instituto Palmas com o patrocínio da Petrobras.

Planejamento das ações das “Cuidadoras da Vida” durante o Encontro do Nó da Rede Renascendo em Água Branca. Foto: André Souza

A formação aborda temas como organização das mulheres e práticas agroecológicas associadas aos saberes populares sobre as plantas medicinais.  O interesse pela formação de grupos de mulheres surge do reconhecimento do papel central que cumprem nas famílias e em suas comunidades, também no compromisso e nível de participação nas ações ambientais. O Encontro reunirá multiplicadoras dos municípios de Tacaratu, Água Branca e Pariconha em Alagoas.

Para a Assessora de Educação Ambiental do projeto, Ana Cristina Accioly, “a educação ambiental é um componente fundamental para toda e qualquer ação que se proponha cuidar do meio ambiente. O Projeto Renascendo pensou a criação da Rede Renascendo de Educação Ambiental e seus “Nós”, em cada um dos seis municípios que compõe o projeto. Incorporadas às atividades de Educação Ambiental, há ações específicas com grupos de mulheres, as “Cuidadoras da Vida”. A ação com as mulheres é duplamente estratégica, pois ao mesmo tempo que possibilita o empoderamento delas no mundo rural, onde foram historicamente oprimidas e destituídas de poder, também convoca e integra ao projeto uma ação feminina de cuidados e sabedorias ancestrais que são preciosos”, ressalta a assessora.

O protagonismo das mulheres sertanejas que expressaram suas aspirações em todas as ações do Projeto Renascendo. Foto: André Souza

Nesta etapa da formação, serão trabalhadas questões de agroecologia com foco na água, empoderamento das mulheres, plantas e ervas medicinais e a comunicação popular, “temas escolhidos pelas Cuidadoras da Vida nos Encontros dos Nós da Rede renascendo”, afirma Ana Accioly.

Durante o Encontro do Nó da Rede Renascendo em Tacaratu/PE, as mulheres indicam e priorizam as nascentes a serem recuperadas. Foto: André Souza

A comunicação popular será tratadacomo uma ferramenta da educação ambiental. Produzir e utilizar conteúdos educativos a partir de celulares e sua disseminação nas redes sociais auxiliam na difusão de práticas agroecológicas, cuidados ambientais e hídricos para um público mais amplo.

O Projeto Renascendo tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH) e do Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu/PE.

O Instituto Palmas é uma ONG fundada em 2002, com sede em Piranhas, no alto sertão de Alagoas, cuja missão é a promoção do desenvolvimento econômico e social sustentável, dos direitos humanos, da cidadania e da democracia; e a preservação da memória e do meio ambiente.

Serviço:

Encontro de Formação de Multiplicadoresda Rede Renascendo de Educação Ambiental – Tacaratu – Pernambuco

Local: Sede da Associação Mulheres Indígenas Guerreiras Pankararu, localizado na Aldeia Brejo dos Padres em Tacaratu/PE

Data: 14 de novembro de 2018

Hora: 8h às 12h

Encontro da Rede Renascendo de Educação Ambiental em Inhapi

Participantes expõem as formas e cores encontradas nas nascentes. Foto: André Souza

O encontro do “Nó da Rede” de educação ambiental realizado pelo Projeto Renascendo em Inhapi-AL, no último 10/08, reforça a articulação em espaços coletivos e fortalece os vínculos entre as comunidades, o poder público e a sociedade civil organizada na gestão compartilhada das ações de recuperação e proteção das nascentes.

Sistematização das lendas, formas e cores das nascentes. Foto: André Souza

Durante o encontro foram levantadas informações referentes à percepção da paisagem por parte dos moradores do entorno das nascentes, as formas e as cores dos elementos presentes nas fontes de água, as lendas que fazem parte do repertório cultural local e ambiental.

“Com a educação ambiental proposta pelo projeto, ao mesmo tempo em que ouvimos a comunidade, como utilizam a água, seus desejos e anseios relativos às ações de intervenção nas nascentes, trazemos essas informações para o nosso plano prático de recuperação ecológica”, afirma Silvia Janayna de Oliveira, assistente de educação ambiental do projeto. “Nesse encontro também começamos a discutir com as participantes a formação do grupo de mulheres “Cuidadoras da Vida” e quais atividades e ações elas teriam interesse em desenvolver”, ressalta Silvia.

Silvia Janayna, assistente de Educação Ambiental, fala com participantes. Foto: André Souza

 

O Projeto Renascendo é realizado pelo Instituto Palmas, tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu.

O Instituto Palmas é uma ONG fundada em 2002, com sede em Piranhas, no alto sertão de Alagoas, cuja missão é a promoção do desenvolvimento econômico e social sustentável, dos direitos humanos, da cidadania e da democracia; e a preservação da memória e do meio ambiente.

Durante o encontro foi discutida a formação do grupo de mulheres “Cuidadoras da Vida”. Foto: André Souza

Projeto Renascendo realiza Encontro da Rede Renascendo de Educação Ambiental em Tacaratu

Imagem: Igreja de Nossa Senhora da Saúde, símbolo de Tacaratu. Foto: André Souza

O objetivo do Encontro da Rede Renascendo de Educação Ambiental (Nós da Rede) é  pensar sobre a importância e significados das nascentes, elaborar o Plano de Ação de Educação Ambiental, selecionar as próximas nascentes a serem recuperadas e iniciar a formação do grupo de mulheres “Cuidadoras da Vida”.

Imagem: Mapeamento das nascentes de Tacaratu durante o Seminário de Sensibilização. Foto: André Souza

Os  grupos locais de educação ambiental formam Nós,  que juntos, formam  a rede Renascendo.  O Encontro do Nó da Rede de Tacaratu acontece no dia 26 de junho de 2018, das  08h às 12h, no Auditório da Prefeitura Municipal de Tacaratu/PE.

De acordo com a coordenadora geral do Renascendo, Maria do Carmo Vieira, a revitalização de nascentes compreende dois processos distintos, mas complementares: “uma intervenção física nas nascentes: limpeza, proteção, canalização; e uma ação de educação ambiental”, esclarece a coordenadora, “é através da educação ambiental, que fica evidenciada a importância da participação da comunidade em todo o processo de revitalização, desde a priorização da nascente a ser recuperada, até a organização dos moradores para juntos, tomarem os cuidados necessários para a conservação da boa qualidade da água” ressalta Maria do Carmo Vieira.

Imagem: Maria do Carmo Vieira, coordenadora geral do projeto Renascendo. Foto: André Souza

O envolvimento da comunidade é fundamental para os processos de revitalização de nascentes, e a proteção do patrimônio ambiental representado pelas fontes de água no semiárido passa pela sensibilização das comunidades locais. Além do conhecimento e participação no processo de recuperação das nascentes, através da educação ambiental, a comunidade se empodera das técnicas e das práticas para assegurar a sustentabilidade das nascentes. Nas oficinas de Educação Ambiental, a comunidade toma conhecimento de como a nascente se forma, como pode ser realimentada, e o que deve ser evitado para não prejudicar a nascente.

Imagem: Recuperação de nascentes, limpeza, canalização e práticas sustentáveis. Foto: Kaedla Menezes

O Projeto Renascendo tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu.

O Instituto Palmas é uma ONG fundada em 2002, com sede em Piranhas, no alto sertão de Alagoas, cuja missão é a promoção do desenvolvimento econômico e social sustentável, dos direitos

Imagem: Equipe renascendo e a comunidade local, ações utilizam metodologias participativas. Foto: Kaedla Menezes

humanos, da cidadania e da democracia; e a preservação da memória e do meio ambiente.

 

Serviço:

Encontro dos Nós da Rede Renascendo – Tacaratu, Pernambuco

Local: Auditório da Prefeitura Municipal de Tacaratu

Data: 26 de junho de 2018

Hora: 8h às 12h

Seminário de Sensibilização promovido pelo Projeto Renascendo chega ao município de Tacaratu, em Pernambuco

Dando continuidade aos seminários de sensibilização para as causas ambientais e cuidados hídricos, o Projeto Renascendo realiza mais um encontro. O evento acontece na cidade de Tacaratu, no sertão pernambucano, no dia 25 de abril, e reúne as comunidades de Tacaratu, Pariconha e Água Branca.

Este seminário é mais uma das etapas do Renascendo, que visa a construção de conhecimentos e práticas para melhoria da convivência com o semiárido e está sendo desenvolvido em seis municípios pelo Instituto Palmas, com o patrocínio da Petrobras. A primeira reunião foi realizada no dia 19 de abril e congregou os municípios de Inhapi, Canapi e Mata Grande.

Em Tacaratu, será formado mais um grupo de educação ambiental, o “Nós da Rede” que se articula à Rede Renascendo, onde se discute de maneira participativa o levantamento de problemas, sugestões e soluções para a recuperação de nascentes e outras questões ambientais nas comunidades. Esses seminários buscam analisar de forma detalhada a realidade de cada um dos municípios, buscando na comunidade a possibilidade das nascentes a serem recuperadas, entre outras questões.

De acordo com a Assessora de Educação Ambiental do Instituto Palmas, Sílvia Janayna Veriato, as opiniões dos moradores são de grande importância e o projeto é desenvolvido tendo como base o olhar de cada um. Sílvia explica, inclusive, que existem localidades com comunidades indígenas, e há uma preocupação por parte do projeto em respeitar as ideias desses povos tradicionais. Em Tacaratu, há a tribo Pankararu, denominada aldeia mãe da região. “Para o indígena, a água representa uma coisa sagrada, então junto com esse povo construímos um estudo para que possamos intervir na recuperação daquela nascente respeitando suas tradições e garantido a segurança hídrica para a comunidade”, fala Sílvia.

Ela explica que em Tacaratu também será feito o levantamento das escolas para que a comunidade escolar contribua com os projetos pedagógicos de educação ambiental. Sílvia enfatiza que no seminário também serão identificadas as fontes de água que foram revitalizadas a partir das ações do Projeto Renas-Ser, executado em 2015 com o apoio do Instituto Palmas, nos municípios de Tacaratu, Pariconha e Água Branca.

Para Sílvia, o trabalho de recuperação de nascentes é muito gratificante, uma vez que permite o acesso à água por pessoas que muitas vezes sofrem longos períodos com a escassez. “Trabalhar com a recuperação de nascentes é extremamente gratificante porque garante a qualidade hídrica para as comunidades, mudando a realidade da população onde a fonte de água está inserida, porque muitas delas passam longos períodos de escassez”, explica.

Um desses exemplos de que a recuperação das nascentes muda a realidade local é no Sítio Brígida, em Mata Grande. Lá, o dono da propriedade onde está inserida, Luiz Carlos, ressalta que a ação trouxe uma grande mudança para a comunidade. “Esse trabalho que foi feito aqui foi uma maravilha, especialmente com a caixa que colocaram porque fica tudo limpinho, organizado, então as pessoas vêm buscar a água e não tem bagunça. Sem contar que com o trabalho que foi feito, a nascente está minando mais água e isso é muito bom. Realmente foi uma coisa que trouxe muitos benefícios para nós”, frisou.

O Projeto Renascendo tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu.

O Instituto Palmas é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 2002, cuja missão é a promoção do desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza; promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e dos valores universais; promoção da cultura, defesa e preservação do patrimônio histórico e artístico; defesa e preservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável; promoção dos direitos estabelecidos e construção de novos direitos.

 

Fotos: Kaedla Menezes

Projeto Renascendo visa recuperação da Bacia Hidrográfica do São Francisco

A escassez de água é um dos principais problemas enfrentados pelas comunidades do sertão de Alagoas e Pernambuco. Os longos períodos de estiagem têm provocado diversos transtornos, como a falta de água para o consumo humano e animal, afetando ainda a produção de alimentos. Sensibilizado com essa realidade, o Instituto Palmas propôs o Projeto Renascendo, que visa a disseminação de conhecimentos e práticas na melhoria da convivência com o semiárido.

Imagem: Mata Grande em Alagoas, município participante do Projeto Renascendo.

A ação, que tem o patrocínio da Petrobras, objetiva a sustentabilidade hídrica da Bacia Hidrográfica do Sâo Francisco, por meio da recuperação e monitoramento de nascentes, reflorestamento de matas ciliares, implantação de barragens, instalação de sistemas de irigação, seminários de sensibilização com as comunidades rurais e a disseminação de práticas sustentáveis através da educação ambiental.
O projeto tem duração de dois anos e é composto por diversas etapas. Atualmente, estão sendo realizados o mapeamento e diagnóstico de nascentes nos municípios de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi e Pariconha, no Alto Sertão Alagoano, e Tacaratu, no Sertão Pernambucano. A equipe está fazendo ainda o monitoramento das fontes de água que foram revitalizadas a partir das ações do Projeto Renas-Ser, executado em 2015 com o apoio do Instituto Palmas, que chegou a recuperar 55 nascentes.
“Nessa etapa estamos realizando o monitoramento, in loco, das nascentes recuperadas por meio do Renas-Ser, preparando o diagnóstico de como se encontram essas áreas para que, em um segundo momento, possamos mapear novas nascentes a serem recuperadas”, explicou o Coordenador Técnico do Projeto Renascendo, Pablo Vieira Tomás.

Imagem: Nascente recuperada pelo projeto Renas-ser, a Fonte de Ivan, na comunidade Sitio do Urubu, no município de Mata Grande, Alagoas.

A revitalização das nascentes oferece à comunidade onde está localizada, não somente o acesso à água de qualidade para o consumo, mas também educação ambiental, envolvendo a população em todo o processo. Para a Assessora de Educação Ambiental do projeto, Ana Cristina Accioly, esse processo educacional é interativo. “Procuramos, no decorrer de todo o projeto, dialogar ativamente com a comunidade. Há uma troca entre o saber acadêmico e o saber popular, onde construímos participativamente as soluções a serem realizadas. O nosso foco é o caráter participativo das pessoas, organizações e comunidades onde a nascente está inserida”, ressalta. A educação ambiental também é irradiada a partir das escolas, onde os estudantes são agentes ativos no processo. “Desta forma, as crianças e jovens, público majoritário nas escolas, serão atores estratégicos para trazer novos valores e práticas mais sustentáveis nas comunidades”, fala Ana Cristina.
O conjunto de ações do Projeto Renascendo implica também na geração de renda, na soberania alimentar das comunidades e inserção de novas práticas sustentáveis, como acontece na Fonte de Ivan, localizada na comunidade Sítio do Urubu, no município de Mata Grande, em Alagoas. Lá, a água abastece a irrigação nos plantios de feijão de corda, cana de açúcar e mandioca, e beneficia também pessoas de localidades vizinhas. “A água serve para tudo: para dar a bicho, para gente beber, para irrigação. Com essa seca enfrentada aqui na região, quem salvou a comunidade foi essa nascente, pois todo mundo só pegava água aqui, que não tinha água mais em canto nenhum do mundo”, ressaltou o produtor José Ivan de Alencar.

Imagem: José Ivan Alencar, ao lado das rapaduras produzidas no engenho da comunidade Sítio do Urubu, cujas águas da Fonte abastecem a irrigação de cana de açúcar.

O Projeto Renascendo tem o patrocínio da Petrobras, com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH), Colegiado Territorial do Alto Sertão de Alagoas, além da parceria das prefeituras municipais de Água Branca, Mata Grande, Canapi, Inhapi, Pariconha e Tacaratu.
O Instituto Palmas é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 2002, cuja missão é a promoção do desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza; promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e dos valores universais; promoção da cultura, defesa e preservação do patrimônio histórico e artístico; defesa e preservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável; promoção dos direitos estabelecidos e construção de novos direitos.